• Flavia Kury - Interiores Corporativos

Neuroarquitetura e Produtividade da Empresa

Atualizado: 21 de Set de 2020

Por que o projeto de Interiores Corporativos baseado na neuroarquitetura é uma arma poderosa para o aumento da produtividade?

Não pretendo neste post demonstrar os benefícios óbvios da contratação de um bom profissional em design de interiores que te entregará um projeto bonito e funcional, escolherá os melhores materiais baseados na sustentabilidade e funcionalidade, evitará retrabalhos, te ajudará a economizar na obra e minimizará seu stress......não! Isso vocês já esperam!


O que quero chamar a atenção e divulgar aqui, é a grande oportunidade para uma empresa, quando ela pretende modificar sua estrutura física, para que, além de buscar um projeto de espaço físico que simplesmente acomode pessoal + mobiliários + maquinários, ela possa ir além e ter um diagnóstico neurológico de seu time e, a partir desse diagnóstico e todo um trabalho de empatia e imersão dentro do DNA da empresa, ela receba um projeto de design de interiores com muito mais chances de ser assertivo no aumento da sua produtividade.

Já imaginou isso? Um projeto de arquitetura de interiores que detecte respostas neurológicas de personas da empresa? Respostas que levam a diagnósticos e soluções muito assertivas a ponto de impactar no comportamento das pessoas e no melhor fluxo de trabalho, vindo a aumentar a produtividade e felicidade do seu time?

Maravilhoso não é?!

Vamos começar do começo: o que é neuroarquitetura?

Neuroarquitetura é uma denominação popular para falar da união de duas grandes matérias: a neurociência e a arquitetura. Assim, neuroarquitetura é o estudo da neurociência aplicada á arquitetura.

A neurociência aqui, vai estudar cientificamente os impactos de vários aspectos do ambiente físico no cérebro do ser humano. Existem muitas evidências científicas a respeito de diversos comportamentos humanos que são despertados através da influência do ambiente físico.


Tanto sentimentos positivos como negativos podem ser desencadeados por uma reação ao espaço, por exemplo, uma sala com grandes janelas, mobiliários claros, leve brisa e vista para a natureza despertam calma e alegria, ao passo que uma sala sem janelas, ou janelas com alturas inadequadas, pouca iluminação, mobiliários desconexos e mal posicionados geram certa ansiedade, sono e desconforto. Com certeza, o primeiro ambiente você terá vontade de permanecer para descansar, estudar e trabalhar!



Mas até aqui, OK! Um projeto de arquitetura de interiores tem obrigação de tornar o ambiente bonito, agradável e funcional.

A diferença que quero mostrar é que num projeto baseado em evidências neurocientíficas aplicadas diretamente nas personas de uma empresa, vai trazer soluções diretas e assertivas especificamente para esta empresa!

A neurociência vem sendo utilizada por diversas outras matérias, como forma de se chegar o mais perto possível de resultados assertivos, temos o neurobusiness, o neurodesign, o neuromarketing entre outros.

A neurociência consegue trazer para as outras áreas estudos neurocientíficos que mostrem o caminho para despertar certas reações humanas, através do bem estar! Hoje vemos a arquitetura corporativa buscando qualidade de vida através do bem estar e a área de business buscando exatamente a mesma coisa!


A visão mais atual de se pensar um negócio, e claro, de se pensar um projeto de espaços de trabalho, é aquela que busca como centro de seus estudos, o ser humano, valorizando profundamente a conexão entre as pessoas e delas consigo mesmas.

Ser humano tornou-se essencial. Em um mundo onde a tecnologia parece capaz de realizar quase tudo, são justamente as habilidades humanas que fazem cada vez mais a diferença!


Buscar por alta performance, por alta produtividade, hoje, é sinônimo de buscar bem estar! O bem estar desperta criatividade, vontade, boas soluções, comunicabilidade, entrosamento, bom humor, contagia positivamente.

Com foco maior no potencial dos indivíduos, a dinâmica das relações humanas começa a interferir na construção dos espaços físicos. Diferentemente de antes, quando os espaços corporativos prezavam pela absoluta padronização, com um viés mais orientado à manutenção e a facilities, hoje os ambientes de trabalho fazem também parte das pautas de líderes e gestores de RH – dada sua condição única de inspirar comportamentos positivos, motivar equipes e, por fim, reter talentos.


A humanização dos espaços corporativos vai além de um escritório com desenho aberto, o compartilhamento de mesas em estilo coworking ou a chance de trabalhar remotamente em alguns dias da semana. Observando mais amplamente, este é o momento de transformação onde espaços profissionais – da mesma forma que métodos e processos – precisam incorporar e traduzir a dinâmica da vida contemporânea.

Não estamos mais falando de trabalhos com rotinas sempre rígidas e previsíveis, tampouco de fronteiras claras entre a vida pessoal e a profissional.




O work-life balance de antes, quando as diferentes esferas da vida estavam mais firmemente delimitadas, transformou-se em um necessário work-life integration, proporcionado pela conectividade e tecnologia disponível.

A realidade agora vem se mostrando dessa forma, e os projetos não podem ser diferentes!

A busca de maior conhecimento do ser humano fez a neurociência despertar-se como grande aliada ás mais diversas matérias, e a arquitetura é aquela que realmente pode ajudar a impactar positivamente o indivíduo.

Chegamos ao momento em que o projeto de interiores corporativos é idealizado através de equipe multidisciplinar que reúne arquitetos, designer e neuropsicólogos e assim segue.


Então, na prática, como isso acontece?

A empresa decide ir a frente e quer proporcionar um ambiente de trabalho propicio a alta produtividade e a retenção de talentos através do bem estar!

A empresa contrata um projeto de design de interiores baseado em levantamento e evidências neurocientíficas aplicadas a arquitetura de interiores.

Inicia-se um levantamento de dados através de formulários e reuniões, onde são identificadas, através de personas e atividades internas, as possíveis demandas da empresa. Aqui entram também os neuropsicólogos e alguns equipamentos sensoriais que farão análises e diagnósticos específicos das equipes da empresa.

4º Em poucas reuniões com metodologias ágeis de resultados, empresa e designers identificam os pontos focais e possíveis soluções a serem trabalhadas no projeto.

Agora a equipe de arquitetos e designers compatibilizarão todos os resultados obtidos nos briefings anteriores e buscarão soluções baseadas em evidências neurocientíficas para idealizarem o projeto ideal para a Empresa.

O novo espaço corporativo da empresa começa a ser projetado aqui!




Todo este procedimento anterior é o que chamamos de levantamento de dados neurocientíficos e que agora darão base para a arquitetura e o design propriamente dito!

Perceberam a riqueza de dados coletados e de estudos assertivos que nortearão o projeto de interiores desta Empresa? Com certeza será um projeto atemporal, que unificará todas as gerações que colaboram internamente e despertará a real vontade de pertencer e seguir crescendo com dela.

Quem não quer uma empresa assim? Esse tipo de comprometimento com o bem estar de seus colaboradores gera vários motivos para retornos financeiros positivos, citando somente alguns deles:

  • aumento do presenteísmo

  • diminuição do estresse e gastos com planos de saúde

  • diminui absenteísmo

  • atrai e retém talentos

  • diminuição de gastos com demissões e contratações

Se você se identifica com este workstyle, fale com a gente! Será um prazer fazer parte da sua nova história!

#escritorioscorporativos #flaviakury #designinteriores #neuroarquitetura

45 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo